top of page
  • Foto do escritorEng. Nunziante Graziano Ph.D

É possível aplicar economia circular aos equipamentos elétricos? Parte 1: Conceitos - GRUPO GIMI


É possível aplicar economia circular aos equipamentos elétricos? Parte 1 - Conceitos - GRUPO GIMI

Com todos os esforços mundiais para gestão de crises, em especial a mais atual, a da Ucrânia, que sucede à pandemia do SARS COVID, fica muito em evidência a importância dos conceitos modernos de gestão com foco em meio ambiente, sustentabilidade e governança corporativa, a famosa sigla em inglês, ESG.


Há quem pense que é impossível construir um mundo sustentável e ter bons resultados financeiros em uma empresa. Engana-se, pois! Ter responsabilidade positiva com o meio ambiente, ter responsabilidade social e adotar melhores práticas de governança corporativa são, na verdade, fatores que ajudam no balanço das empresas e, sobretudo, na forma como enxergam e gerenciam os riscos associados aos seus negócios. Estudos mostram que empresas que buscam aprimorar suas práticas ambientais, sociais e de governança obtêm muitos impactos positivos, como maior lucratividade e aumento de seu valor de mercado em longo prazo.


Uma das principais estratégias associadas às melhores práticas ESG é enquadrar o negócio dentro dos conceitos de “economia circular”. Para entendermos melhor a origem da expressão, precisamos estudar os tipos de economia que podemos escolher: linear, reciclável ou circular. Veja as representações:



É possível aplicar economia circular aos equipamentos elétricos? Parte 1 - Conceitos - GRUPO GIMI

A economia linear, base do século XX, é ancorada na sequência: extração de recursos naturais, manufatura, uso pelo ciclo de vida planejado para o produto e, finalmente, a destinação como resíduo ou “sucata inservível”.


A economia reciclável, base do final do século XX e motivada pelos altos custos de obtenção e extração de recursos naturais, é baseada na sequência: extração de recursos naturais, manufatura, uso pelo ciclo de vida planejado para o produto, destinação para desmontagem e reciclagem de partes ou materiais e, finalmente, a destinação como resíduo para aterros ou gerenciamento de resíduos sólidos.


A economia circular baseia-se na ideia de Kenneth Boulding (economista norte-americano nascido na Inglaterra) de que a Terra deve ser vista como uma nave espacial, ou seja, “sem lixeira”, mas cuja principal medida do sucesso da economia não é a produção nem o consumo, mas a natureza, o prolongamento da qualidade e da complexidade do total do estoque de capital” (1966:9). É necessário para tal entender que a economia é próspera quando materiais circulam de forma inteligente e são produzidos de maneira que tenham um impacto positivo para as pessoas e para o planeta, sendo possível fazer com que o “desperdício”, refugo, sucata, descarte ou qualquer recurso não utilizado em um sistema, seja o “alimento”, matéria-prima, insumo, mistura ou componente inicial para outro sistema produtivo, inexistindo então, o desperdício.


Dessa forma, é possível afirmar que a economia circular é baseada em três princípios: eliminar resíduos e poluição desde o princípio, manter produtos e materiais em uso pelo maior tempo possível, e regenerar sistemas naturais.


Encerramos aqui a conceituação do tema e, para a próxima edição, traremos a abordagem prática do assunto para a economia dos equipamentos elétricos. Não perca!





Estr. Portão do Ronda, 3470 - Jardim Revista

Suzano - SP, 08694-080

(11) 4752-9900

SIGA NOSSAS REDES!

De seg. a sex. Das 7h às 17h

  • Whatsapp
  • LinkedIn
  • Instagram
  • Facebook
  • Youtube
Logo Grupo Gimi PNG
bottom of page